quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Ithamara kOORAX

Ithamara Koorax ( Ita Mara Jarlicht ) nasceu em Niterói/RJ, no dia 28 de abril de 1965.

Filha de cantora lírica e irmã da atriz e também cantora Soraya Ravenle, iniciou sua carreira profissional em 1990, apresentando-se na casa noturna Vou Vivendo (SP), com Paulo César Pinheiro e Guinga. O show contou com uma "canja" de Elizeth Cardoso, que se encontrava na platéia. Ainda nesse ano, participou do projeto "Vozes dos anos 90", realizado no Rio Jazz Club, tendo como madrinha Elizeth Cardoso, com quem gravou a faixa "Inquietação", no disco "Ary Amoroso". Também em 1990, participou da trilha sonora da minissérie "Riacho doce" (Rede Globo), gravando a canção-tema, "Iluminada". Nesse mesmo ano, apresentou em show, pela primeira vez, as parcerias de Guinga e Aldir Blanc. Foi premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Em 1991 e 1992, excursionou ao Japão. Em 1992, dividiu o palco com Edu Lobo, além de se apresentar em seus próprios shows, atuando ainda como convidada especial no show de entrega do Prêmio Shell a Martinho da Vila, realizado, sob a direção de Ricardo Cravo Albin, no Canecão (RJ).

Em 1994, lançou seu primeiro disco solo, "Luiza/Live in Rio", pelo qual foi contemplada com o Prêmio Sharp na categoria Revelação MPB. Ainda nesse ano, dividiu o palco com Marcos Valle, interpretando a obra desse compositor, além de ter sido convidada para apresentar-se em Londres, devido ao sucesso atingido no cenário europeu com sua interpretação hip-hop de "A rã" (João Donato e Caetano Veloso). Também em 1994, gravou o CD "Rio Vermelho", lançado no ano seguinte, que registrou a última gravação de Tom Jobim.

Em 1995, gravou o CD "Almost in love: Ithamara Koorax sings the Luiz Bonfá songbook", lançado no ano seguinte, com participação do próprio compositor ao violão. Ainda nesse ano, realizou apresentações no Japão.

Em 1996, gravou com músicos japoneses o CD "Wave 2001", lançado no ano seguinte. Esteve novamente no Japão. Seus três discos chegaram ao Top 15 da parada japonesa, publicada pelo "Swing Journal".

Com "Almost in love", editado no Brasil em janeiro de 1997, tornou-se a primeira artista brasileira a lançar e comercializar um CD exclusivamente pela Internet. Apresentou-se, nesse mesmo ano, com o grupo Azymuth, em várias cidades brasileiras, pelo Projeto Pixinguinha. Em seguida, participou do CD/vídeo "Casa da bossa" (PolyGram), ao lado de César Camargo Mariano e do grupo vocal Os Cariocas, com o qual dividiu, também nesse ano, o palco do Metropolitan (RJ). Participou, ainda, das trilhas sonoras de "Policarpo Quaresma" (Carlos Lyra) e "Terra encantada" (Francis Hime).

Em 1998, realizou uma temporada no Jazz Café de Londres, ao lado do baterista Dom Um Romão, alcançando sucesso nesse país com um arranjo "acid" para "Mas que nada" (Jorge Benjor). Em seguida, viajou para Nova York (EUA), a fim de realizar a mixagem de seu CD "Bossa nova meets drum 'n' bass", primeiro disco de um artista brasileiro nessa moderna vertente da dance music. Ainda em 1998, atuou no disco "Rhythm traveller", de Dom Um Romão. Apresentou-se no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, no concerto de lançamento do CD da Orquestra Petrobras Pró-Música, sob a regência do maestro Armando dos Prazeres. Participou, ainda, de dois CDs lançados internacionalmente pela gravadora PolyGram: "A trip to Brazil: 40 years of bossa nova" e "House of bossa". Voltou a apresentar-se no Japão.

Em 1999, excursionou pelo Brasil ao lado de Dom Um Romão e participou do disco beneficente "Street angels", produzido por Arnaldo DeSouteiro. Também nesse ano, participou de uma série cultural de espetáculos que apresentavam a história da MPB. O evento, realizado no Teatro da Universidade Federal Fluminense (Niterói), tematizando os festivais de música dos anos 1960, contou com a apresentação de Ricardo Cravo Albin. Ainda em 1999, lançou seu sexto CD, "Serenade in blues", gravado entre o Rio de Janeiro e Nova York. O disco, que contou com a produção musical de Arnaldo DeSouteiro e as participações de Eumir Deodato, Gonzalo Rubalcaba, Jay Berliner, Dom Um Romão e o grupo Azymuth, foi eleito pela revista "Downbeat" para o prêmio de Melhor Som. Participou de trilhas sonoras de novelas da Rede Globo ("Pedra sobre pedra", "Fera ferida", "Renascer", "Araponga" e "Cara & coroa") e dos songbooks de Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Antonio Carlos Jobim e Marcos Valle, produzidos por Almir Chediak. Na área do jazz, gravou com Ron Carter, Larry Coryell, Sadao Watanabe, Eddie Gomez e Gil Goldstein.

Em 2000, foi indicada para o Prêmio Grammy, na categoria Melhor Cantora de Jazz, pelo CD "Serenade in blue". O disco recebeu, ainda, mais três outras indicações para o prêmio Melhor Álbum Vocal de Jazz, Melhor Produção (Arnaldo DeSouteiro) e Melhor Arranjo (Eumir Deodato, pela faixa "Aranjuez"), além de ter sido eleito para Melhor Prêmio de Som, pela revista "Down Beat", nos Estados Unidos, e ter sido premiado pelas revistas "Swing Journal" e "CD Review", no Japão. Ainda em 2000, foi citada como uma das Melhores Cantoras de Jazz do mundo, na votação da revista "Down Beat", proeza antes alcançada somente por uma outra cantora brasileira, Flora Purim, entre 1974 e 1979. Também em 2000, na mesma eleição da "Down Beat", ficou em terceiro lugar na categoria Beyond Artist, atrás apenas de Sting e Carlos Santana, e à frente de Joni Mitchell, Stevie Wonder e Tom Waits. Nesse mesmo ano, voltou a apresentar-se no Japão e participou do Candem Town Jazz Festival, em Londres. Fez shows nas Lonas Culturais de Bangu, Realengo, Vista Alegre e Campo Grande, em 2000 e 2001.

Em 2001, voltou a se apresentar no Jazz Cafe, em Londres, realizou três temporadas no Mistura Fina (RJ) e apresentou-se em turnê de shows pelo interior de São Paulo, promovida pelo SESC. Também nesse ano, fez sua oitava gravação para novelas da Rede Globo: a música "Cristal", tema da personagem de Sandy na novela "Estrela Guia". Atuou nas gravações das trilhas sonoras dos filmes sobre Glauber Rocha e Carlos Marighela, dirigidos por Silvio Tendler, e exibidos pela TV Cultura. Participou da série "Sempre Baden", em homenagem ao compositor, realizada na Sala Baden Powell (RJ). Ainda em 2001, apresentou-se com João Donato em São Paulo, nos espaços SESC Pompéia e Bourbon Street. O show foi gravado, gerando especial de televisão exibido pela DirecTV. Teve faixas incluídas nas coletâneas "Jazz Ladies Vol.2" (editada pela Warner-France) e "Blue Voices" (Zyx Music), lançadas nesse ano, ao lado de gravações de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Tony Bennett e Chet Baker. Também em 2001, foi apontada entre as Melhores Cantoras de Jazz do ano por várias revistas européias, japonesas e coreanas, como "CD Review", "Jazz CD" e "Swing Journal". Nesse mesmo ano, lançou em toda a Ásia o CD "Cry Me A River", editado também em DVD-Audio. Nesse mesmo ano, seus discos "Wave 2001", "Bossa Nova Meets Drum & Bass", e "Serenade In Blue" foram relançados em DVD-Audio. Ainda em 2001, tornou-se a primeira cantora brasileira a figurar na parada POP chinesa, alcançando o sexto lugar com o single "Un Homme Et Une Femme", extraído do disco "Serenade In Blue".

Em 2002, lançou na Coréia e na China, o CD "Black Orpheus Revisited". Realizou temporadas do show "Standards" no Mistura Fina (RJ), contando com a participaçao especial do pianista Mario Castro-Neves. Apresentou o mesmo espetáculo na Praia de Copacabana (RJ), na mostra de música organizada pela Coca-Cola, paralelamente ao Festival de Cinema BR. Fez shows em festivais de jazz e de música eletrônica em Londres, Manchester, Amsterdam e Roma. Gravou faixas para os projetos especiais "Hot Style Selection", "New Jazz Meets Brazil", "Ibiza 2002", "Ministry of Sound/Clubber's Guide To Breaks", "Chill Out Wear", "Timbre of Irma" e "Rio Strut", lançados mundialmente. Teve faixas incluídas nas coletâneas "The Best of Brazilian Jazz", lançada nos Estados Unidos pelo selo Verve, "A onda que se ergueu no mar", organizada por Ruy Castro para a Universal Music, "Lounge Jazz", "Gourmet Music Deluxe" e "Brazilian Flavour", essas três editadas no mercado europeu. Participou, em quatro faixas, do CD e LP-triplo "The Dom Um Romao Remix Project" (JSR/Irma), trabalhando com os DJs Seiji, Opaque, Catalyst, Scent, Unity e King Kooba. Lançou, exclusivamente em vinil, três remixes da música "Mas que nada", de Jorge Benjor, que logo alcançaram o topo das Dance Music Airplay Lists no cenario europeu. Participou, também, do CD "Remixes", do DJ ingles Seiji, lançado na Europa pelo selo Goya Music. Gravou a trilha sonora de "JK - O menino que sonhou um país", do diretor Sílvio Tendler, apresentando-se na solenidade oficial de lançamento do filme, no Memorial JK, em Brasilia, em setembro de 2002. Lançou o CD "Someday", que rapidamente chegou ao primeiro lugar nas paradas de jazz em vários países da Ásia (Japão, Coréia, China e Tailândia), com a faixa-título, composição e arranjo de Mario Castro-Neves, alcançando o Top 10 na lista das músicas mais tocadas nas rádios daqueles países. O disco, gravado entre Monte Carlo (Mônaco), Colônia (Alemanha), Londres (UK), Nova York (EUA) e Rio de Janeiro, contou com a participação de músicos e arranjadores como John McLaughlin, Jurgen Friedrich, Claus Ogerman, João Palma, Sérgio Barroso, Dom Um Romão, Juarez Araújo, Manuel Gusmão, Jorge Pescara, César Machado, José Carlos Bigorna, Sidinho Moreira e Azymuth. Na edição de dezembro de 2002 da revista "Down Beat", na 67ª votação anual dos Melhores do Ano, foi apontada a quarta Melhor Cantora de Jazz do mundo.

Em 2003, seu disco "Love dance: The ballad album" (Jazz Station Records/Milestone) foi lançado no Brasil pela Som Livre. Constam do repertório as canções "Lígia" (Tom Jobim), "April in Paris" (Vernon Duke e Yip Harburg), "Olha, Maria" (Chico Buarque, Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "O amor é chama" (Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle), "Man Alone" (Luís Bonfá) e "La puerta" (Luís Demétrio). Participaram do disco o guitarrista inglês John McLaughlin, Marcos Valle (piano), João Palma (bateria) e Luiz Bonfá (violão, em uma de suas últimas gravações), entre outros. Nesse mesmo ano, fez show de lançamento do disco no Mistura Fina (RJ). Ainda em 2003, participou, como convidada do baterista João Palma, de show realizado na casa noturna Partitura (RJ), ao lado do pianista Haroldo Goldfarb e do baixista Fernando Leporace.

Em 2004, apresentou-se nos seguintes espaços: Mistura Fina (RJ); Partitura (RJ), tendo como convidado o instrumentista Mário Castro Neves; Praça Santos Dumont, em Búzios, e Teatro Popular do Sesi, em São Paulo, ao lado do guitarrista Victor Biglione; Museu do Açude (RJ), pelo projeto Brunch Cultural; e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, ao lado do pianista Jovino Santos Neto, pelo projeto Unimúsica, série Piano e Voz. Nesse mesmo ano, foi finalista do Prêmio Tim de Música, na categoria Melhor Disco de Música Estrangeira, com o CD "Love Dance".

Em 2004, finalizou o CD "Autumn in New York - The art of romance". Nesse mesmo ano, apresentou-se no Cais do Oriente (RJ), com o repertório do disco.

Em 2005, abriu a temporada de shows da casa noturna Mistura Fina (RJ), seguindo em turnê pelo Nordeste e Norte do país.

O mais recente filme do diretor Silvio Tendler, "Glauber, O Filme - Labirinto do Brasil", para o qual Ithamara Koorax gravou a trilha sonora com músicas de Villa-Lobos em arranjos do maestro Eduardo Camenietzki, foi lançado no Brasil em março de 2004, e apresentado em seguida na mostra oficial do Festival de Cinema de Cannes. Em junho, estreiou em NY, no Film Forum (209 W. Houston St., west of 6th Ave.), sob o título "Glauber, the Movie - Labyrinth of Brazil."

Ithamara aparece como única cantora brasileira incluida nos CDs “Blue Voices” e “Jazz Ladies Vol.2”, lançados mundialmente, onde suas gravações estão ao lado de faixas de Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, Tony Bennett e Chet Baker.

Em junho de 2004, o CD "Love Dance", lançado no Brasil pela Som Livre, foi um dos três finalistas do Prêmio TIM de Música Brasileira, concorrendo com Flora Purim e o grupo Sepultura na categoria especial de "melhor disco em língua estrangeira".

A cantora, em plena atividade, continua se apresentando no Brasil e no exterior.

Fontes: Dicionário Cravo Albin da MPB e site oficial da cantora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário