sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Selma Reis

A cantora e atriz Selma Reis nasceu em São Gonçalo (Niterói), no estado do Rio de Janeiro, no dia 17 de junho de 1960.

Desde pequena apaixonou-se pela música. Sua família era ligada às rodas seresteiras da cidade e ela cresceu vendo os amigos de seus pais passarem as madrugadas tocando serestas em sua casa.

Já adolescente, Selma Reis viu-se diante do dilema da escolha profissional. Aprovada para a faculdade de Comunicação Social, ela trancou sua matrícula na metade do curso e decidiu viajar para o exterior, conhecer outras culturas e viver novas experiências.

Na cidade de Nantes, na França, uma região de Pays de La Loire, cursou dois anos da faculdade de Letras e aproveitou para estudar música. Em Paris, teve aulas com o professor Sr. Laurens - Stages de Perfectionnement des Emissions Vocal e aulas de técnica com o Sr. Rondeleux, autor de alguns livros sobre voz, entre eles "Trouver sa voix”. Além disso, sempre que possível, participava de seminários sobre o assunto e, com o desejo autodidata de sempre experimentar e descobrir novidades ligadas à voz, freqüentou outras aulas de técnica vocal com diferentes instrutores. A cantora diz que foi levada para a música pelas “Vozes”, visto que ficava deslumbrada diante de grandes cantores.

Desde 1984, Selma Reis é casada com o fotógrafo e diretor de fotografia Locca Faria, com quem tem seu único filho, Thiago Reis Faria, nascido em 1988.

Em 1987, já de volta ao Brasil, gravou “Selma Reis”, seu primeiro disco independente. O trabalhou contou com participações de Dori Caymmi, Jaques Morelenbaum, Geraldo Azevedo, Paulo Jobim, Armandinho e Sueli Costa, entre outros grandes músicos e compositores.

Depois do nascimento de Thiago, em 1988, Selma Reis passou dois anos dedicando-se a educação de seu filho e, em 1990, retomou as atividades profissionais com o lançamento do CD “Selma Reis”, com participação nos arranjos do maestro e pianista Wagner Tiso. Entre as faixas, “Meu Veneno”, canção especialmente feita para a cantora por Milton Nascimento, musicando o poema de Ferreira Gullar.

Em 1991, o CD intitulado por uma música de Aldir Blanc, “Só Dói Quando Eu Rio” contou com Eduardo Souto Neto nos arranjos e Rafael Rabello nos violões, além de outros grandes músicos da MPB.

Em 1993, um grande marco em sua carreira foi o CD “Selma Reis”, gravado em Londres, Madri, Miami, Los Angeles e Rio de Janeiro. Com arranjos de Grahamm Presket, arranjador de Paul McCartney e Elton John, foi uma das grandes experiências profissionais que viveu, pois teve a oportunidade de trabalhar com músicos de várias nacionalidades em diversos países. Para o mesmo álbum, gravou no Rio de Janeiro com a bateria da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel (a Bateria nota 10!), sendo convidada no ano seguinte para “puxar” o samba da Escola durante o Desfile de Carnaval na Marquês da Sapucaí.

Em 1995, Selma Reis começou a experimentar um lado mais acústico e intimista, gravando o CD “Todo Sentimento”, apenas com piano e voz.

Em 1996, lançou o CD “Achados e Perdidos”, obra em que passeia com sua potente voz pelas músicas de um dos maiores compositores da MPB, Gonzaguinha.

Em 1998, a convite da dupla de produtores Marcus Montenegro e Nilson Raman, aceitou fazer uma participação especial no espetáculo musical “O Abre Alas”, sobre a vida de Chiquinha Gonzaga, ao lado de Rosamaria Murtinho e grande elenco.

Em 1999, lançou “Ares de Havana”, trabalho em que mostra todo seu amadurecimento como intérprete e cantora. Em Havana, gravou com grandes músicos cubanos, entre eles o pianista Frank Emílio, cantando em espanhol algumas das melhores canções daquele país.

Em 2001, Selma Reis fez nova participação especial, desta vez na minissérie “Presença de Anita” , de Manoel Carlos, na Rede Globo.

Em 2002, apresentou-se no musical “Um Dia de Sol em Shangrilá”, ao lado de Lucinha Lins e Cláudia Neto , sob direção de Charles Moeller e Cláudio Botelho. No mesmo ano, relançou o CD “Todo Sentimento” a pedido da gravadora de Roberto Menescal e foi convidada pela bailarina Ana Botafogo para participar de um espetáculo em que Ana dançava um repertório de música popular brasileira com um sexteto de cordas e piano.

Em 2003, Selma Reis foi convidada para apresentar-se com o cantor Cauby Peixoto. A dupla entrou no palco com “Vozes”, espetáculo que deu origem a um CD homônimo, ao vivo, vencedor, em 2004, do prêmio TIM de Música Popular Brasileira como a Melhor Dupla de Canção Popular do ano.

Em 2004, participou do famoso musical da Broadway intitulado “Chicago”, interpretando Mama Morton, personagem que no cinema foi representado por Queen Latiffah. O espetáculo ficou em cartaz na cidade de São Paulo como um dos maiores sucessos de público do país, assistido de abril até dezembro de 2004 por mais de 150 mil pessoas.

Em Janeiro de 2005, Selma Reis foi convidada para participar do musical a “Ópera do Malandro” de Chico Buarque, representando a grande personagem “Vitória” para uma tour em Portugal nas cidades de Lisboa nos Teatros CCB e Coliseu de Lisboa, Figueira da Foz, no Centro de Artes de Espetáculos da Figueira da Foz e na cidade do Porto, no Coliseu do Porto durante os meses de Fevereiro e Março com um grande sucesso de público e crítica. Em abril, de volta ao Brasil, apresentou-se com o mesmo musical em uma temporada de duas semanas no Canecão.

Em Maio de 2005, Selma Reis faz uma série de shows no Nordeste nas cidades de Natal -- no Teatro Alberto Maranhão--, em João Pessoa --no Paraíba Café -- e em Campina Grande no Teatro Severino Cabral.

Em Junho de 2005, Selma Reis faz mais duas únicas apresentações, no Teatro Municipal de Niterói onde foi gravado um Especial para a TV Educativa / Cultura do RJ e SP.

Em setembro de 2005, Selma Reis fez uma temporada em um espetáculo com a bailarina Ana Botafogo, onde as duas cantaram e dançaram juntas no palco acompanhadas de um sexteto de cordas e piano no Teatro Rival no Rio de Janeiro.

Em novembro e dezembro de 2005, Selma Reis realizou alguns shows para um público fechado de empresas que contrataram o seu espetáculo.

Foi convidada, em janeiro de 2006, pelo autor de novelas Manoel Carlos para participar da novela “Páginas da Vida”, onde interpretou a personagem Irmã Zenaide, especialmente criada para ela: uma freira que adora música, canta música sacra e que sai pela noite do Rio de Janeiro cantando música popular – MPB.

Em março de 2006, Selma Reis aprofundou um trabalho de música clássica, que vem desenvolvendo desde 2003, com a professora Eliane Sampaio para cantar Häendel, Mozart, Schubert, Bach, Monteverdi, Gounod, César Frank entre outros.

Na novela “Páginas da Vida”, como a irmã Zenaide, cantou as músicas Ombra Mai Fu de Häendel, Ave Maria de Schubert e Lasciatemi morire! de Monteverdi.

Em outubro de 2006 Selma Reis fez duas únicas apresentações no Teatro Municipal de Niterói cantando um repertório popular com músicas inéditas para gravação de um CD, seus grandes sucessos, além de uma música clássica que interpretou em “Páginas da Vida”.

Em fevereiro de 2007 Selma Reis e Ana Botafogo estiveram juntas no mesmo palco cantando e dançando, com a participação especial do ator Thiago Picchi tocando sax e flauta.

Selma Reis, em Fevereiro de 2007, entrou em estúdio para gravar um CD de música clássica sacra (Händel, Mozart, Schubert, César Frank, Gounod e outros), produzido pela gravadora Deckdisc e lançado em março do mesmo ano.

Apresentou-se, em março de 2007, em São Paulo no Tom Jazz .

Em junho de 2007, na região Nordeste do país, apresentou-se no show "Cantar, Cantar e Cantar".

Selma Reis apresenta-se constantemente em shows pelo Estado do Rio de Janeiro e por todo o país.


Fonte: Site Selma Reis

Nenhum comentário:

Postar um comentário