sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Maria Odette

A cantora Maria Odete Bianchi, conhecida como Maria Odette, nasceu na cidade de Itapira, SP.

Maria Odette
Filha de Romualdo Bianchi e de Maria da Conceição Barbosa era uma daquelas meninas irrequietas e inteligentes. Tinha, desde cedo, o talento artístico e musical e passou a ser chamada de “a Cantora Namorada da Cidade”.

Com sete anos de idade, Maria Odette começou a se apresentar no programa artístico-musical que era realizado no Hospital Psiquiátrico Américo Bairral, aos domingos das 9 às 11 horas, acompanhada pelos conjuntos “Melódico” e “Todos os Ritmos”. Esses conjuntos musicais tiveram a colaboração de João Torrecillas Filho, Ailton Riberti e Tocha. Esse programa era transmitido pela rádio Clube local.


Maria Odette
Estreou com a música “Não, Nana” e foi um grande sucesso.

Em 1959, Maria Odette se transferiu para São Paulo. Alcançou o primeiro lugar entre os calouros no Programa “Toddy”, de Hebe Camargo, no canal 5, e foi contratada pela emissora.

Maria Odette atuou, também, como tele atriz.


Maria Odette
Em 1961, Maria Odette conquistou o prêmio “Roquete Pinto” e, em 1966, obteve destaque no cenário artístico ao participar do II Festival Nacional da Música Popular (TV Excelsior) interpretando “Boa Palavra”, de autoria de Caetano Veloso, classificada em quinto lugar no evento. A canção foi registrada nos LPs “Estas Venceram” e “Viva o Festival da Música Popular Brasileira - II Festival Nacional da Música Popular Brasileira”. Nesse mesmo ano, atuou no II Festival da Música Popular Brasileira (TV Record), interpretando “Um Dia”, também de Caetano Veloso. Também em 1966, lançou um compacto simples contendo as canções “Boa Palavra” e “É de Manhã”, ambas de Caetano Veloso. Ainda nesse ano, lançou um compacto simples com as músicas “Um Dia” (Caetano Veloso) e “Levante” (Geraldo Vandré).

Maria Odette - Festival / 1966
Em 1967, participou do III Festival da Música Popular Brasileira, cantando “Canção do Cangaceiro que viu a Lua Cor de Sangue” (Chico de Assis e Carlos Castilho), incluída no LP “14 sucessos do III Festival da Música Popular Brasileira”. Também nesse ano, gravou um compacto duplo com “O canto do homem só” (Mirabeau e Livia Medeiros), “Janela” (Arnaldo Fernandes), “Trapiá” (Arnaldo Fernandes) e “Quibungo” (Mirabeau).

Em 1968, participou do III Festival Internacional da Canção Popular, interpretando “Herói de guerra” (Adilson Godoy), registrada no LP “III Festival Internacional da Canção Popular”. Nesse mesmo ano, lançou um compacto simples com as músicas “Ultimatum” (Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle) e “Janela” (Arnaldo Fernandes).


Maria Odette / 1966
Em 1969, participou do IV Festival Internacional da Canção Popular (TV Globo), interpretando “Sagarana” (João de Aquino e Paulo César Pinheiro), registrada no LP “IV Festival Internacional da Canção Popular”. Nesse mesmo ano, participou do V Festival da Música Popular Brasileira (TV Record), interpretando “Monjolo” (Dino Galvão Bueno e Milton Eric Nepomuceno), classificada em sexto lugar no evento. A canção foi registrada no LP “Estamos com onze no V Festival da Música Popular Brasileira”.

Em 1970, lançou um compacto simples com “Refém da solidão” (Baden Powell e Paulo César Pinheiro) e “Mercado Modelo” (Antônio Carlos e Jocafi).


Maria Odette
Participou da trilha sonora da novela “Semideus” (Rede Globo), em 1973, composta por Baden Powell e Paulo César Pinheiro, registrada em LP homônimo.

Maria Odette fez parte da coletânea “Sambas que Marcaram”, lançada em 1974, com a faixa “Refém da Solidão”, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro.

Em 1975, foi incluída na coletânea “Super Parada Tupi – vol. 2”, com a faixa “Quarto de Despejo” (Isolda e Milton Carlos). Nesse mesmo ano, participou da trilha sonora da novela “Um Dia o Amor” (Rede Tupi), com a faixa “Tanto Amor (Aurora)” (M. Guantini-vrs. Alexandre Cirus), incluída no LP homônimo que registrou a trilha da novela.


Maria Odette
Em 1979, participou do “I Festival dos Estudantes Programa Flávio Cavalcanti”, interpretando “Eu demônio eu poeta” (Fátima de Figueiredo, Sarah Benchimol e Ricardo Marques), registrada em LP homônimo.

Em 1980, lançou um compacto simples com “Chora palhaço” (Aloísio e Rony) e “Sex One” (Aloísio, Rosemary e Rony), esta última incluída na trilha sonora da novela “Um homem muito especial” (Rede Bandeirantes) e registrada em LP homônimo.


Maria Odette
Maria Odette é mãe de Victor Thiago Bianchi Colunna, vocalista da banda brasileira Shaaman.

Atualmente Maria Odette, completamente afastada do cenário artístico, mora em Jundiaí, estado de São Paulo e terminou recentemente o curso superior de Direito.


Maria Odette / 2012
Fontes: Sites Dicionário MPB; Sfreinobreza; Youtube.


                                                              Maria Odette - "Um Dia" - Festival da Record / 1966


                                                               Maria Odette e o filho Thiago Bianchi - "Paz do Meu Amor / Menino Passarinho - 2011


                                                                   Maria Odette - "Esquadros" / 1997


                                                                       Maria Odette - "Refém da Solidão"


Um comentário:

  1. Bela interpretação!!!! Isso sim é cantar! É com tristeza que vejo cantoras como você sendo preteridas pelas "Anitas" da vida!Deus, salve a boa música popular brasileira!

    ResponderExcluir