sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Leoni

Leoni nasceu na cidade do Rio de Janeiro no dia 8 de abril de 1961.

Seu primeiro contato com a música foi com sua mãe que sempre cantava pela casa. Leoni assistiu muitos festivais da canção com ela e passou a se interessar muito por música. Quando entrou na escola, já tinha amigos que gostavam de rock e passou a estudar violão com 9 anos.

Aos 16 anos montou sua primeira banda. Havia vários guitarristas entre os amigos e, por ser o único candidato ao posto, Leoni preferiu optar por tocar baixo, garantindo sua vaga. Nessa época, ele morava em Ipanema e estudava no colégio Santo Inácio.

Em sua casa ele criou o “quarto do som”, onde aparelhos sonoros de primeira linha conviviam com amplificadores e baterias nacionais de qualidade duvidosa. Os ensaios eram barulhentos, mas a mãe de Leoni não se incomodava. A banda que se chamava Chrisma, teve sua única grande apresentação no teatro Ipanema com casa lotada, onde os convidados eram todos do colégio. Ao final do show dividiram o lucro comendo uma pizza no baixo Leblon. Depois de 2 anos de existência, veio o vestibular e a banda se desfez. Segundo Leoni , “ alguns amigos da banda resolveram virar homens sérios e foram estudar economia e engenharia”.

Leoni e Beni Borja, amigo e um dos integrantes da banda Chrisma, estudavam na PUC , mas resolveram continuar a tocar rock. Aos poucos chamaram novos parceiros. Beni indicou George Israel e Leoni sua amiga de francês Paula Toller, mais tarde Bruno se juntou ao grupo. Surgiu assim o Kid Abelha e os Abóboras selvagens.

A banda começou a fazer vários shows, entre eles, no Circo Voador, que foi palco de grandes revelações musicais nos anos 80. As músicas do Kid Abelha, “Fixação”, “Pintura intima” e “ Como eu quero” estavam , nos bares, nas rádios e nos shows que fizeram a trilha sonora de toda uma geração. Foram 4 discos de ouro ( mais de 500 mil discos vendidos).

Em 86, com a vontade de cantar sua próprias canções, Leoni resolveu montar uma nova banda, “Heróis da Resistência”. Lançou três Lps e conquistou mais um disco de ouro. As canções “Só pro meu prazer” e “Double de corpo” se tornaram hits imediatos.

Com o tempo, os objetivos artísticos do grupo passaram a divergir e o músico voltou para a estrada para iniciar sua carreira solo lançando em 93 “Leoni” , seu primeiro álbum produzido por Beni Borja . A música "Garotos II" se manteve por seis meses nas paradas de sucesso. O CD teve participação dos Heróis e de George Israel na faixa de abertura“ Nada como eu e você”.

Em 95 nasceu seu primeiro filho e para estar mais perto da família , Leoni escreveu o livro "Letra, música e outras conversas", onde entrevistava e conversava com oito artistas consagrados de sua geração: Renato Russo, Herbert Vianna, Lobão, Frejat, Adriana Calcanhotto, Marina, Samuel Rosa e Nando Reis.

Em 97 lançou o single “Tudo Sobre Amor e Perda" pela Geléia Geral, flertando com a música eletrônica.

O mercado musical no início de 2000 estava passando por um “revival” dos anos 80 e Leoni sentiu a necessidade de escapar do óbvio. Acreditando em seu novo projeto, o músico montou em 2002 seu próprio selo Batuque Elegante, gravando um novo disco “Você sabe o que eu quero dizer”. Este álbum também foi produzido por Beni Borja.

A demora em gravar um novo disco e de resistir a propostas mercadológicas valeram a pena. Inéditas como “Temporada das Flores”, “Fotografia” , “Cartas que eu não mando” e “Melhor para mim” foram grandes destaques desse CD.

Embora estivesse há 9 anos sem gravar um álbum, Leoni nunca esteve longe da música. Ele emprestou suas composições para outros artistas, fez participações especiais em shows e criou trilhas musicais para teatro e cinema.

Em 2003 lançou "Áudio-retrato", uma “reintegração de posse” , segundo o artista , das belas composições que o público desconhecia serem de sua autoria. O disco tem produção do maestro Eduardo Souto Neto e participações especiais de Herbert Vianna, Dinho Ouro Preto, Léo Jaime e Rodrigo Maranhão. O CD trouxe uma leitura nova e mais madura das canções que fizeram sucesso em sua carreira como, “Lágrimas e chuva”, “Fixação” e “Exagerado”, além da inédita “Canção para quando você voltar” em parceria com Herbert Vianna.

Um mantra de cura terminou por fazer parte da “Canção para quando você voltar”, fruto da conexão de Leoni com o Budismo. Após o acidente do amigo Herbert Vianna, Leoni encontrou nessa filosofia oriental uma forma de lidar com os acontecimentos, acrescentando essa experiência em sua música.

O CD “Áudio-retrato” deu tão certo que o reconhecimento veio com o lançamento em 2005 do disco e do DVD “Ao vivo” pela Som Livre. As participações especiais eram as mesmas, mas Leoni reinterpreta com Herbert Vianna a canção “Por que não eu?”, a primeira parceria dos dois feita em 86. O sucesso rendeu mais de 85 mil CDs vendidos e 50 mil DVDs, e 120 shows por todo o Brasil para mais de 200 mil pessoas.

As músicas de Leoni, considerado por muitos um “hitmaker”, estão no repertório das principais bandas nacionais, como Barão Vermelho, “ A chave da porta da frente” e Paralamas do Sucesso com “ Fora do lugar”.

Com tantas histórias musicais e bom parceiros, Leoni continua a criar novos momentos em sua carreira. Seguiu para Paris junto com seis índios Ashaninka do Acre para registrar um documentário e fazer um show no Palais de La Décourverte, do CD ainda inédito, “Outro futuro”. Mais de 700 pessoas ocuparam o museu superando as expectativas.

Fonte: Site oficial do cantor

Nenhum comentário:

Postar um comentário